top of page
Buscar
  • Foto do escritorLara

SEMENTEIRA DE AMOR

Plantio necessário.


Paulo de Tarso nos diz que "o amor de Cristo nos constrange"


E Paulo foi muito feliz nessa afirmação. Porque quando deixamos Jesus entrar em nosso coração e em nossa mente, quando permitimos que Jesus toque com o seu amor a nossa existência, ah! nossa vida se transforma, nosso caminhar já não é mais o mesmo, se modifica.


Emmanuel, pela psicografia de Chico Xavier, no livro Fonte Viva, diz que quando deixamos verdadeiramente Cristo entrar em nossa vida, algo de indefinível modifica o nosso espírito.


Ocorre realmente uma transformação em nós: quando Jesus, que é a luz deste mundo, toca o nosso coração, não temos mais espaço dentro de nós para a adoração improdutiva, para a crença sem obras, para a fé inoperante. O nosso entendimento de existência se renova pois entendemos que só amando e servindo, conforme seu exemplo, é que seremos criaturas melhores, só assim encontraremos a paz dentro de nós mesmos.


"A voz do Mestre, persuasiva e doce, exorta o homem a servir sem descanso. O único refúgio em que o homem encontra repouso é no trabalho perseverante no bem geral." - Chico Xavier pelo espírito Emmanuel

Jesus é a luz desse mundo, a luz que nos guia em meio as trevas que existem em nós mesmos. Quando deixamos a luz do Cristo nos penetrar no mais recôndito de nosso ser, a sua luz celeste vergasta-nos por dentro até que nós consigamos abandonar as zonas inferiores em definitivo.


Quando somos tocados pelo amor do Cristo, seu amor nos contrange e faz com que queiramos ser pessoas melhores, faz com que queiramos servir, auxiliar, amar…


Néio Lúcio, pela psicografia de Chico Xavier no livro Alvorada Cristã nos diz: “Ajuda sempre, filho meu.” Quem quer seguir Cristo precisa entender que o verbo da sua vida vai ser servir, praticando sempre o bem. É necessário que pensemos sempre no bem, exaltando a sua grandeza. Somente os espíritos em desequilíbrio extremo, fundamente cristalizados no mal, menosprezam as manifestações do bem. Todo o bem que praticamos, por mínimo que seja, é bem que fazemos a nós próprios.


Às vezes, quando somos abordados por alguém pedindo algo para nós, um trocado, um prato de comida, um agasalho… muitos de nós com certeza já pensamos: será que se eu der um trocado ele não vai comprar bebida ou droga, será que se eu der algo de comer ele não vai jogar fora… Todas as vezes que queremos julgar o destino do bem que praticamos, na maioria das vezes o pensamento se perde de forma inútil nessas complicadas conjeturas. É preciso auxiliar o próximo de coração tranquilo, se a pessoa te pede algo e você ajuda e ele utiliza para coisa diversa, o problema é dele.


Néio Lúcio diz assim: Claro que te não rogo favorecer o crime e a desordem visíveis ao nosso olhar. Entretanto, se te posso pedir alguma coisa, em tempo algum te negues à cooperação fraterna. Quando eu quero controlar o que o outro faz com o auxilio que eu prestei, eu não estou amando, eu estou exercendo a posse, o controle. E amor não é posse.

Mas não devemos e nem podemos escolher o caminho do outro. Cada um de nós tem seu próprio caminho para trilhar. Querer escolher o caminho do outro não é amor, é posse. E, quando achamos que temos o direito de escolher ou interferir no caminho do outro, é melhor analisarmos nossos sentimentos e nossas emoções, com certeza eles estarão em desequilíbrio. Não é bom nos transformarmos em pedra de tropeço no caminho daqueles que dizemos amar.


"Amor não é posse. Amar é doar, é libertar, é permitir que o outro tenha a oportunidade de escolher e trilhar o caminho que lhe é próprio. Amar é permanecer amando, mesmo sabendo que os caminhos escolhidos são diferentes do nosso." - Robson Pinheiro pelo espírito Pai João de Aruanda

Quem exerce a posse não está semeando o amor. E muito menos deixou Jesus tocar seu coração, com o verdadeiro amor. Analisar nossas relações, todas elas, transcendendo nosso sentimento de apego e vivenciando uma verdadeira relação de amor é nos libertarmos de amarras que não nos deixam crescer e, algumas vezes, arruinam o caminho daqueles que amamos.


Precisamos aprender com Jesus que nós devemos servir por amor de servir, sem qualquer expectativa de receber agradecimento e também sem querer controlar o caminho do outro. Quando você errar, erre auxiliando. Será melhor assim, porque todos estamos sob o olhar da Vigilância Divina.


E nós devemos sempre auxiliar e servir sem vaidade e ostentação, embora, como diz Néio Lúcio, "O homem que ajuda por vaidade e ostentação, quase sempre, em pouco tempo, cria para si mesmo o hábito de auxiliar, atingindo sublimes virtudes." Aquele, porém, que muito fiscaliza os beneficiados e raciocina com excesso quanto ao “dar” e ao “não dar” converte-se, não raro, em calculista da piedade, a endurecer o coração, por séculos numerosos.


Ouve! Estamos à frente do tempo infinito... É imprescindível semear. Não adubes o vício e o crime. Todavia, não olvides que é necessário plantar muito amor, para que o amor nos favoreça. Emmanuel, pela psicografia de Chico Xavier diz que: "Felizes daqueles que espalham a esperança, mas bem-aventurados sejam os seguidores do Cristo que suam e padecem, dia a dia, para que seus irmãos se reconfortem e se alimentem no Senhor!"



Semeando


O único caminho é o amor, fora do amor só encontramos dor e sofrimento. É preciso semear o amor para que colhamos, por nossa vez, amor. A nossa sementeira tem que ser a sementeira do amor.


Por isso Jesus, o Modelo Divino, enviado pelo Criador à Terra para clarear-nos a caminhada, em cada passo de seu Ministério tomou o amor ao Pai por inspiração de toda a vida, amando sem a preocupação de ser amado e auxiliando sem qualquer idéia de recompensa. Quando o Divino Mestre desceu à esfera dos homens por amor, humilhando-se por amor, ajudando e sofrendo por amor, ele refletiu a vontade sábia e misericordiosa do Pai para a grandeza da Sua obra.


Deus é o Amor Eterno de Toda a Criação, o Amor Perfeito, em tudo e em toda parte, e é da Sua Lei de Amor que cada espírito reflita livremente aquilo que mais ame, transformando-se, em toda parte, na luz ou na treva, na alegria ou na dor a que empenhe o coração.


Façamos como Jesus: vamos semear amor, vamos fazer com que a nossa sementeira seja de amor. Para que a vida e o pensamento de cada um de nós retratem neste mundo as pegadas de luz de Jesus, não devemos esquecer o seu ensinamento: — “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei.”

24 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

CASAMENTO

1 Comment


Jeferson Souza
Jeferson Souza
Jul 06, 2023

Boa noite! Excelente abordagem sobre a importância e semear o Amor conforme nos ensina Jesus. É muito importante auxiliar os nossos irmãos que estão passando por provações ou por expiações, cooperando sem a necessidade de buscar reconhecimento ou holofotes, pois como o nosso Senhor Jesus nos ensina, que a mão esquerda não saiba o que a direita faz... de forma que a nossa ajuda fique oculta e não pública. :)

Obrigado Lara, parabéns pelo artigo.

Like
bottom of page